REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro, v. 5. 17.ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002

MONTEIRO, Sônia Maria. Aspectos Novos da Adoção. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

OLIVEIRA, J. M. Leoni Lopes de. Guarda, Tutela e Adoção, 2.ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1999.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil. Direito de Família, 3.ªed., São Paulo: Atlas, 2003.

WALD, Arnoldo. O Novo Direito de Família, 14.ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

ALONSO, F.H.D; MELÃO, R.J.M. O Estudo Psicológico nas Varas da Infância e
Juventude. Apostila do Curso de Iniciação funcional do T.J. – SP. São Paulo:


BEVILACQUA, C. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil Comentado. São
Paulo: Livraria Francisco Alves, 1943.


CHAVES, A. Adoção e Legitimação Adotiva. São Paulo: Editora Ver. dos
Tribunais, 1966.


FERREIRA, M.R.P. & CARVALHO, S.R. Primeiro guia de adoção de crianças e
adolescentes do Brasil. São Paulo: Winners editorial, 2000.


GOMES, O. Direito de Família. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1983.

KAUSS. O.G.B. A adoção no Código Civil e no Estatuto da Criança e do
Adolescente (lei 8,069/90). Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 1993.


MANUAL do Curso de Iniciação Funcional para Assistente Social e
Psicólogos Judiciários. São Paulo: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo,
2003.


PAVANELLI, C.A. Abandono, lei e legitimidade: Um estudo sobre a adoção no
Brasil e na Argentina. Dissertação de Mestrado do Programa de Integração em
América Latina da Universidade de São Paulo. São Paulo: Universidade de São
Paulo, 1988.

PEREIRA, C.M.S. Instituições de Direito Civil – Direito de Família. Rio de
Janeiro: Editora Forense, 1991.


SUÁREZ, Mireya e BANDEIRA, Lourdes. A politização da violência contra a mulher e o fortalecimento da cidadania. In BRUSCHINI, Cristina e UNBEHAUM, Sandra G. (org.) Gênero, democracia e sociedade brasileira. SP: Fundação Carlos Chagas/ Ed. 34, 2002.

SCHRAIBER, L. B., D’OLIVEIRA, A. F. P. L., FALCÃO, M. T. C. e FIGUEIREDO, W. dos S. Violência dói e não é direito. A violência contra a mulher, a saúde e os direitos humanos. São Paulo: Unesp.

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Zahar Editores, 1981.

ASSIS, S. G. Crianças e Adolescentes Violentados: passado, presente e
perspectiva de futuro. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 10
(supl): 126-134, 1994
AZEVEDO, M. A. e GUERRA, V. N. (orgs) Crianças Vitimizadas: a síndrome
do pequeno poder. São Paulo: Iglu Editora, 1989.Infância e Violência Doméstica: fronteiras do conhecimento. 2ªed. São Paulo: Cortez, 1997.


BOFF, Leonardo. Saber Cuidar: ética do humano – compaixão pela terra.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
BRASIL. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE – LEI 8.069/90.
RIO de Janeiro: DP e A, 1998.


CAMINHA, R.M. Maus-Tratos: o flagelo da infância. (Texto apresentado
em sala de aula, s.d).
CENDHEC. Sistema de Garantia de Direitos: um caminho para a proteção
integral/Centro Dom Hélder Câmara de Estudos e Ação social - CENDHEC:
Recife, 1999. Criança Protegida é Criança Feliz/Centro Dom Hélder Câmara de
Estudos e Ação Social - CENDHEC: Recife, 1999.


COHEN, C. e GOBBETTI, J. O Incesto: o abuso sexual intrafamiliar.
Disponível em: <
http://www.violenciasexual.org.br.> Acesso em 24 de
outubro 2001.
DE ANTONI,C. & KOLLER, S.H. A Visão de Família entre as Adolescentes
que Sofreram Violência Intrafamiliar. Estud. psicol. (Natal) v.5 n.2 Natal
jul/dez. 2000.


Libertando Identidades. Benedetto Saraceno, atual Diretor do Departamento de Saúde
Mental da OMS. 1ª edição em 1999 e a 2ª em 2001. Editora Te Corá e Instituto Franco
Basaglia, Rio de Janeiro.


Saúde Mental e Saúde da Família. Coleção Saúde & Loucura, n. 7. De Antonio Lancetti.
Editora Hucitec, São Paulo. Apesar de ter sido lançada no início de 2001.


BISNETO, José Augusto. Serviço Social e saúde mental: uma análise institucional da prática. São Paulo: Cortez, 2007.

LARA, Ricardo. Pesquisa e Serviço Social: da concepção burguesa de ciências sociais á perspectiva ontológica. Rev. Katál, Florianópolis, 2007.

MACHADO, Kátia. Como anda a Reforma Psiquiátrica? Rev. Radis Comunicação em Saúde, Rio de Janeiro, 2005.

ALMEIDA, Juliana Amorim Braga de, AZEVEDO, Rafaela Moura Fernandes de.
O Serviço Social na Saúde: Possibilidades e limites na atuação profissional.

 
 ALMEIDA, Rita Cristina de, CAVALCANTE, Lenita da Silva. O Serviço Social na
Previdência Social. Trabalho de Conclusão de Curso da Escola de Serviço Social
da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.
 
 AMARANTE, Paulo. “O Planejamento na Desconstrução do Aparato Manicomial”.
In: Planejamento Criativo: Novos Desafios em Políticas de Saúde. Relume-
Dumará, Rio de Janeiro, 1° edição, 1992.
 
 BISNETO, José Augusto. “Uma Análise da Prática do Serviço Social em Saúde
Mental”. In: Revista Serviço Social & Sociedade n°82, ed. Cortez, São Paulo,
2005.
 
 BISNETO, José Augusto. Análise Institucional do Serviço Social em Saúde
Mental. Tese de Doutorado da Escola de Serviço Social da Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.
 
 BISNETO, José Augusto. O Serviço Social na Área de Saúde Mental e a
Reabilitação Psicossocial. XI CBAS, Fortaleza, 2004.
 
BOSCHETTI, Ivanete. “A Reforma da Previdência e a Seguridade Social
Brasileira”. In: Reforma da Previdência em Questão, ed. UNB, Brasília, 2003.
 
BRASIL. Lei n° 8.142, SUS, Brasília, Congresso Nacional, dez. 1990.
 
BRASIL. Lei n° 8.742, LOAS, Brasília, Congresso Nacional, 1993.
 
BRASIL. Lei n° 10.216, Política Nacional de Saúde Mental, Brasília, Congresso
Nacional, 2001.
 
BRASIL. Lei n° 8.080, SUS, Brasília, Congresso Nacional, set. 1990.
 
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Secretaria
Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília,
set. 2004.
 
BRAVO, M° Inês Souza. “A Saúde no Brasil na Década de 90: Projeto em
disputa”. In: Superando Desafios, Cadernos do Serviço Social do HUPE, UERJ,
Rio de Janeiro, Ano III, n°4, p. 29-34, Periodicidade Semestral.
 
BRAVO, M° Inês Souza. “Reforma Sanitária e Projeto ético-político do Serviço
Social: elementos para o debate“. In: Saúde e Serviço Social, São Paulo, ed.
Cortez, Rio de Janeiro, UERJ, 2004.
 
BRAVO, Maria Inês Souza. “As Políticas Brasileiras de Seguridade Social:
Saúde”. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Módulo 3. CFESS,
Brasília, 2000.
 
CARONE, Silvia. “Nós, as loucas”. In: Revista Marie Claire, n°89, ed. Globo,
Agosto -1998, São Paulo.
 
DELGADO, Paulo. I Caravana Nacional de Direitos Humanos: Relatório da Visita
aos Manicômios. Brasília, Congresso Nacional, junho – 2000.
 
DRAIBE, Sônia M. “As políticas sociais e o neoliberalismo: Reflexões suscitadas
pelas experiências latino-americanas”. In: Dossiê Liberalismo Neoliberalismo nº
17, Revista USP, São Paulo, s/d.
 
IAMAMOTO, Marilda Villela. “A Questão Social no Capitalismo”. In: Revista
Temporalis n°3. ABEPSS, Brasília, 2001.
 
IAMAMOTO, Marilda Villela. “O Serviço Social em Tempos de Globalização”. In:
Dossiê CFESS, Revista Inscrita, s/l, s/d.
 
IAMAMOTO, Marilda Villela. “O trabalho do Assistente Social frente às mudanças
do padrão de acumulação e de regulação social”. In: Capacitação em Serviço
Social e Política Social, módulo 1, CFESS/ABEPS/CEAD/UNB, Brasília, 1999.
 
LESBAUPIN, Ivo. O desmonte da nação: balanço do Governo FHC. Petrópolis,
Rio de Janeiro, ed. Vozes, 2003.
 
MALLOY, James. “A Política de Previdência Social: Participação e Paternalismo“.
In: Dados n°13, Rio de Janeiro, IUPERJ, 1976.
 
MÁRQUEZ, Gabriel García. “Só vim Telefonar”. In: Doze Contos Peregrinos,
ed.Record, Rio de Janeiro, 8° edição, 1995.
 
MONTAÑO, Carlos Eduardo. “O Serviço Social frente ao Neoliberalismo:
Mudanças na sua base de sustentação funcional-ocupacional”. In: Revista
Serviço Social e Sociedade, n° 53, ed. Cortez, São Paulo, 1997.
 
MOTA, Ana Elizabete. “Seguridade Social”. In: Revista Serviço Social e
Sociedade, n°50, ed. Cortez, São Paulo, 1996.
 
NETTO, José Paulo. “A construção do projeto ético-político do Serviço Social
frente a crise contemporânea”. In: Capacitação em Serviço Social e Política
Social, módulo 1, CFESS/ABEPS/CEAD/UNB, Brasília, 1999.
 
PAIM, Jairnilson Silva. “Bases Conceituais da Reforma Sanitária Brasileira”. In:
Saúde e Democracia: A Luta do CEBES. São Paulo: Lemos Editorial, 1997,
 
QUIROGA, Ana Maria. “Mudanças no perfil das clientelas do Serviço Social”. In:
Enfrentamento da Questão Social, Revista O Social em Questão, PUC, Rio de
Janeiro, v.4, n°4, Ano III, p.159-170, jul - dez.1999.
 
RODRIGUES, Mavi Pacheco. Serviço Social e Saúde Mental: Algumas
Perspectivas de Atuação Profissional na Atualidade, 10° CBAS, Rio de Janeiro,
2001.
 
SIMIONATO, Ivete. “As expressões ideoculturais da crise capitalista da
atualidade”. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social – Crise
Contemporânea, Questão Social e Serviço Social, Módulo 1,
CFESS/ABEPS/CEAD/UNB, Brasília, 1999.
 
VASCONCELOS, Eduardo Mourão. “Breve Periodização Histórica do Processo
de Reforma Psiquiátrica no Brasil recente”. In: Saúde Mental e Serviço Social,
ed.Cortez, São Paulo, 2000.
 
 VASCONCELOS, Eduardo Mourão. A Luta pela Cidadania: Condições para uma
Clínica Antimanicomial. (xérox). Rio de Janeiro, 2006.
 
VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Do Hospício à Comunidade: Mudança sim;
Negligência não. ed. SEGRAC, Belo Horizonte, 1992.
 
YASBECK, Maria Carmelita. “Os fundamentos do Serviço Social na
contemporaneidade”. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, módulo
4, CFESS/ABEPS/CEAD/UNB, Brasília, 2000.
 
YAZBECK, Maria Carmelita. “A Política Social Brasileira nos Anos 90: A
Refilantropização da Questão Social”. In: Subsídios à Conferência Nacional de
Assistência Social – 3: Políticas de Assistência Social, Cadernos ABONG e
CNAS, 1995.
 
 ZUCCO, Luciana Patrícia, CAVALCANTI, Ludmila Fontenele. “Elementos para
análise da política de saúde na década de 1990: os assistentes sociais como
atores na construção do espaço público”. In: Saúde em Debate, Artigos Originais,
Rio de Janeiro, v.26, nº62, set. /dez.

ALEVATO, Hilda. Trabalho e Neurose: enfrentando a tortura de um ambiente em crise. Rio de Janeiro: Editora Quartet, 1999.

ALEXY, Robert. Teoria de los Derechos Fundamentales. Trad. de Ernesto Garzón Valdés. Madrid: Centros de Estudios Constitucionais, 1993.

ALKIMIN, Maria Aparecida. Assédio moral na relação de emprego. 1ed. (ano 2005), 3ª Barreto, Margarida. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Dissertação de mestrado em Psicologia Social, 2000.

BARRETO, Margarida. Violência, saúde, trabalho - uma jornada de humilhações – (EDUC/Editora da PUC, São Paulo)

Barroso, Luís Roberto. “Temas de Direito Constitucional – Tomo III”. Rio de Janeiro:Renovar, 2005. Interpretação e Aplicação da Constituição.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 20 ed. Atual. São Paulo: Saraiva, 1999.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campu, 1992.

BONAVIDES, Paulo. Direito Constitucional. 8ª ed., São Paulo: Malheiros, 1999.

CAHALI, Yussef Said. Dano moral. 2ª ed. . São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.

CATALDI, Maria José Giannella. O stress no meio ambiente do trabalho. São Paulo: Ltr, 2002.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação história dos Direitos Humanos. 3ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2003.

DEJOURS, Christophe. A loucura do Trabalho – Estudo de Psicopatologia do Trabalho. Trad. Ana Isabel Paraguay e Lúcia Leal Ferreira. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1992.

DOMENICH, Mirella. Síndrome do Burn out. Folha de São Paulo. São Paulo, 30 de junho de 2002, Caderno Empregos.

DWORKIN, Ronald. Taking rights seriously. Cambridge: Harvard University Press, 1977.

FERRARI, Irany e Martins, Melchíades Rodrigues. Dano moral: múltiplos aspectos na relação de trabalho. São Paulo: Ltr, 2005.
GUEDES, Márcia Novaes. Terror psicológico no ambiente de trabalho. Ed. LTr, São Paulo, 2003. Assédio moral e responsabilidade das organizações com os direitos fundamentais dos trabalhadores. Vencedora do III Concurso de Monografias da Amatra II, publicado na Revista Amatra II, ano IV, nº 10, dezembro de 2003, p. 35.

HELOANI, Roberto. Gestão e organização no capitalismo globalizado /História da manipulação psicológica no mundo do trabalho. Ed Atlas, São Paulo, 2003.

Hirigoyen, Marie-France. “Harcèlement Moral: la violence perverse au quotidien” (“Mal-Estar no Trabalho: Redefinindo o Assédio Moral”, trad. Rejane Janowitzer). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. 

 Assédio Moral: a violência perversa do cotidiano. Editora Bertrand do Brasil, São Paulo, 2002, Mal-estar no trabalho: redefinindo o Assédio Moral. Editora Bertrand do Brasil, São Paulo, 2002.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra (coord.). Direitos Metaindividuais. São Paulo: LTr, 2004.

LEYMANN, Heinz. Mobbing. Paris: Seuil, 1996.

MENEZES, Cláudio Armando Couce de. Assédio moral e seus efeitos jurídicos. Síntese Trabalhista e Previdenciária nº 162.

Nascimento, Sônia A. C. Mascaro. “O Assédio Moral no Ambiente de Trabalho”. São Paulo: Revista LTr no 8/2004.

NUNES, Rizzatto. O princípio constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. São Paulo: Saraiva, 2002.

PROSCURCIN, Pedro. “Compêndio de Direito do Trabalho – Introdução às Relações de Trabalho em Transição à Nova Era Tecnológica”. São Paulo: LTr, 2007.

RAMALHO, Maria do Rosário Palma. “Direito do Trabalho. Parte II – Situações Laborais Individuais”. Coimbra: Almedina, 2006.

SILVA, Jorge Luiz de Oliveira. Assédio moral no ambiente de trabalho. Rio de Janeiro: Editora e livraria do Rio de Janeiro, 2005.

Silva, Oscar Gomes da. “Assédio Moral no Trabalho: uma Conduta Perversa”. Rio de Janeiro: Imaginação, ASUNIRIO, 2006.

SIMÓN, Sandra Lia. A proteção constitucional da intimidade e da vida privada do empregado. São Paulo: Ltr, 2000.

TORRES, Ricardo Lobo. Teoria dos Direitos Fundamentais. Rio de Janeiro: Ed.Renovar, 1999.

ACOSTA, A. R. Família: redes, laços e políticas. São Paulo: Cortez, 2008.
BARROS, M. M. L. Velhice ou Terceira Idade?. Rio de janeiro: Fundação Getulio Vargas,
1998.
CABRAL, G. Envelhecimento ativo. Brasil Escola, 2008. Disponível em:
<
http://www.brasilescola.com/saude/envelhecimento.htm>. Acesso em: 03 nov. 2008.
CARDOSO, M. F. M. C. Reflexões sobre instrumentais em Serviço Social: observação
sensível, entrevista, relatório, visitas e teorias de base no processo de intervenção social. São
Paulo: LCTE, 2008.
CÔRTE, B. Envelhecimento e Velhice: um guia para a vida. São Paulo: Vetor, 2006.
COSTA, M. A. Projeto adequa Código Penal ao Estatuto do Idoso, Senado de Tocantins,
2008. Disponível em:
<
http://www.senado.gov.br/web/senador/marcoantoniocosta/noticias/assessoria/20080911b.ht
ml>.Acesso em: 06 nov. 2008.
CRESS/SP. Legislação Brasileira para o Serviço Social. 2.ed. São Paulo: O Conselho,
2006.
GUERRA, Y. A instrumentalidade do Serviço Social. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1999.
IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação
profissional. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2005.
IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro,
trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.
LOPES, R. G. C. Saúde na velhice: as interpretações sociais e os reflexos no uso do
medicamento. São Paulo: Educ, 2000.
MONTEIRO, P. P. Envelhecer: histórias, encontros, transformações. Belo Horizonte:
Autêntica, 2001.
NERI, A. L. Maturidade e Velhice: trajetórias individuais e socioculturais. Campinas, SP:
Papirus, 2001.
PORTELLA, M. R. Grupos de Terceira Idade: a construção da utopia do envelhecer
saudável. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2004.
SCHWARTZMAN, S. Pobreza, exclusão social e modernidade: uma introdução ao mundo
contemporâneo. São Paulo: Augurium, 2004.
SOUZA N. M. A. A família e seu espaço: uma abordagem de terapia familiar. 2.ed. Rio de
Janeiro: Agir, 1997.
STOER, S. R. Os lugares da exclusão social: um dispositivo de diferenciação pedagógica.
São Paulo: Cortez, 2004.
POCHMANN, M. A exclusão social no Brasil. Unioeste, 2005. Disponível em:
<
http://www.unioeste.br/cursos/cascavel/economia/xv_cbe/001.pdf>.
VOGT, C. Álbuns de retalhos. Com ciência, 2002. Disponível em:
<
http://www.comciencia.br/reportagens/envelhecimento/texto/env01.htm>.

 DRUCKER, Peter. A administração de organizações sem fins lucrativos.
Princípios e práticas. 4 ed. São Paulo, Pioneira, 1997.
HUDSON, Mike. Administrando Organizações do Terceiro Setor: O desafio de
administrar sem receita. Makron Books. São Paulo, 1999.
KLIKSBERG, Bernardo. Gerência Social: dilemas gerenciais e experiências
inovadoras. In: Pobreza: uma questão inadiável: novas respostas a nível
mundial. Brasília: ENAP, 1994.
KLIKSBERG, Bernardo; SULBRANDT, José. Como capacitar em gerência social.
A experiência do primeiro programa latino-americano de formação de gerentes
sociais. In Pobreza: uma questão inadiável: novas respostas a nível mundial.
Brasília: ENAP, 1994.
MAXIMIANO, Antonio C. A. . A teoria geral da administração: da escola científica
à competitividade na economia globalizada. 2ª edição, São Paulo, Atlas, 2000
MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e a questão social: crítica ao padrão
emergente de intervenção social. São Paulo, Cortez, 2002.
SERVA, Maurício. A racionalidade substantiva demonstrada na prática. Revista de
Administração de Empresas. São Paulo, v. 37, n. 2, abr./jun..
TENÓRIO, Fernando G. (Org.). Gestão de ONGs: principais funções gerenciais.
Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1997.
TENÒRIO, Fernando G.. Gestão Social: uma perspectiva conceitual. Revista de
Administração Pública. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, Vol. 32, nº5,
set./out. 1988,

THOMPSON, Andrés, “Do compromisso à eficiência? Os caminhos do Terceiro
Setor na América Latina”. In IOSCHPE Evelyn (org.): Terceiro Setor:
desenvolvimento social sustentado, São Paulo: Paz e Terra, 1997.

ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. O Serviço Social na Educação. Revista INSCRITA, nº 6. Conselho Federal de Serviço Social, 2000.

MARTINS, Eliana Bolorino Canteiro, "Serviço Social: mediação escola e sociedade". Franca/SP, UNESP-Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Dissertação de Mestrado, 2000.

A ÉTICA NO SERVIÇO SOCIAL. PRINCÍPIOS E VALORES, documento adoptado pela Assembleia Geral da Federação Internacional de Trabalhadores Sociais, em Julho de 1994.

DEFINIÇÃO DE TRABALHO SOCIAL, adoptada pela Federação Internacional de Trabalhadores Sociais, documento divulgado pela Associação de Profissionais de Serviço Social em 2000.

PRINCÍPIOS ÉTICOS Y POLÍTICOS PARA LAS ORGANIZACIONES PROFESIONALES DE TRABAJO SOCIAL DEL MERCOSUR, documento cedido pelo Comité Mercosur de Organizações Profissionais de Trabalho Social.

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS ASSISTENTES SOCIAIS, aprovado em Brasília pelo Conselho Federal de Serviço Social no dia 13 de Março de 1993.

Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um não. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Augusto Cury E-MAIL: lu.name.lc@hotmail.com

vídeos de motivação

Loading...
Loading...